Mais uma nova fornada a lenha

 Enforne das peças

 Tapar todas as pequenas aberturas

 Preparação da lenha

 Alimentação do forno

 Chaminé em brasa

 Recta final da alimentação do forno

Abertura do forno


Equipa divertida esta que arranjei, Artur Ruivo (já repetente por tanto ter gostado á dois anos de participar), Amélia Rombert ( novata na aventura), Lia Ruivo e Rafael Beça.

Mais uma fornada feita a lenha. Ao fim de 9 horas de cozedura, atingi os 1130ºC que o pirómetro indicava, mas na realidade as peças foram a bem mais, já que estiveram bastante tempo a essa temperatura e em alguns sítios as peças em grês negro começaram a fundir e outras de grês com pasta de papel começaram a vitrificar. Pela experiência que tenho este barro negro ( vicente diez rn)começa a fundir a partir dos 1180ºC, portanto é muito provável que tenha atingido essa temperatura. As que se deformaram, perdi-as claro, mas todas as outras ficaram com cores distintas. Resultado mais que satisfatório portanto. Desta vez a fornada não foi solitária, o Artur voltou a ir dar uma mão na lenha e na fornada, a Amélia na fornada e na reportagem fotográfica. Depois foi tempo de uns dias de descanso bem merecido para todos.